sábado, 10 de maio de 2008

Multiplicando o amor


Estive hoje no abrigo “Lar amor e esperança”, mantido pelas Irmãs Dominicanas do Santíssimo Sacramento.
Eu já tinha ido a outro abrigo, o “Aldeia SOS”, por conta de uma reportagem. Desta vez, visitamos o lar das Irmãs Dominicanas como parte do trabalho da igreja onde meus filhos fazem catecismo. Os alunos da catequese também foram conosco. É essencial que nossos filhos possam ter contato com outra realidade e também aprender a fazer caridade. Não basta só ouvir sobre e falar sobre...é preciso, principalmente, praticar.
São 30 as crianças deste abrigo, de 0 a 13 anos, aproximadamente. Na maioria, meninas. Nem todas para adoção. Muitas delas estão lá temporariamente, pois suas famílias estão desestruturadas e tentando resolver problemas como desemprego, alcoolismo e dependência de outras drogas. Outras, são filhas de presidiários. É uma história mais dramática do que a outra, mas dá vontade de levar todas as crianças pra casa.
Senti uma emoção muito grande de início e achei que ia acabar chorando...

Eu fui abandonada numa maternidade e adotada quando tinha 15 dias de vida. Hoje, no abrigo, não pude deixar de pensar que um dia, eu podia ter ido parar num abrigo também, se não tivesse tido a sorte de encontrar uma família que me queria.
Sempre pensei em adotar uma criança, mas esta é uma decisão muito séria, muito profunda, que não pode ser tomada por impulso. É preciso pensar, ponderar, analisar vários aspectos, afinal, há uma outra vidinha em jogo. Às vezes, mais de uma.
Hoje descobri que, enquanto não chego a uma conclusão sobre isso, posso catalisar meus instintos maternais ajudando abrigos como este. Inúmeras pessoas também não se sentem aptas a adotar, emboram tenham carinho de sobra dentro de si.
Eis uma maneira muito legal de se doar. Só visitando e tendo contato com essas crianças é que dá pra entender, em profundidade, o quanto um abraço, um beijo, um carinho, um colinho, faz diferença na vida delas.
Eu sou mãe, amo ser mãe. E, graças a Deus, tenho uma mãe! Mas descobri que o amor que podemos doar é infinito e se multiplica, quando nos dispomos. Refletir sobre isso, hoje, no abrigo, com a oportunidade de agir e interagir, com as crianças, foi muito importante pra mim. Espero que mais pessoas descubram como é simples e gostoso levar um carinho para os pequenos, que precisam tanto disso. Um feliz dia das mães.

Nenhum comentário:

Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida