quinta-feira, 15 de maio de 2008

Intransitável 2

O tema do trânsito suscita tanta polêmica, que resolvi escrever mais um pouquinho. Desta vez, abordando a questão do comportamento nas ruas de São Paulo.
No texto anterior critiquei os especialistas, mas na terça-feira, Paulo Resende, da Fundação Dom Cabral, disse coisas bem interessantes, numa entrevista à Fabíola Cidral, da rádio CBN. Entre elas, que metade do problema do fluxo nas ruas se deve ao péssimo comportamento dos motoristas. E é verdade. Por exemplo, ele citou o motorista que já conhece seu caminho e sabe que dalí a alguns kilometros vai ter que entrar à direita. Ora essa, vai pegando já a faixa da direita, né? NÃAAAAOOOO...o cara acha mais emocionante ir fechando TODOOOOO MUNDOOO antes, claro que SEM dar a seta, o que também deixa os motoqueiros furiosos e causa muitos acidentes.
Tem os espertinhos também, que aproveitam o acostamento das marginais para circular quando tá tudo parado. E depois, na cara-de-pau, tentam entrar na faixa de novo. Eu não dou passagem.
Posso estar errada, afinal esse clima de revanche também só piora as coisas. Mas o cara agiu errado, oras! Que pene um pouco pra voltar à faixa.
Nos engarrafamentos, há que se ter mais gentileza. Deixar um entrar. Ceder a outro. Agradecer. Pois a nossa gentileza, acaba em gentileza de outros para conosco. Sem buzina, porque não adianta! Celular é outra desgraça. E vejo a expressão de quem está usando: não parece uma conversa rápida, algo urgente. Não, o usuário fica lá, dando gargalhada, estendendo o papo...é claro que não dá pra dirigir e falar ao mesmo tempo. É acidente, em 80% dos casos.
Preferenciais: ninguém sabe o que é. Gente, onde houver uma baita placa vermelha escrita PARE, sabe, é PRA PARAR! E a perpendicular é a preferencial, portanto. O que andam ensinando nas auto-escolas? Aliás devia ter um decreto pra fechar todas as auto-escolas da cidade temporariamente! Não precisamos de mais carros nas ruas! Ah, não...
Ônibus: motoristas completamente sem noção. Não encostam na guia pra pegar passageiro, correm demais. Já levei uma pancada na traseira do meu pobre Corsinha, que me deixou sem carro por quase duas semanas. Claro, eles vêm à toda! Agora evito ficar na frente de ônibus. E muita gente não pega ônibus tbém por conta disso. Falta de cuidado, sem falar nos assaltos.
Pedestres: no bairro do Campo Belo eles têm a mania de andar nas ruas, não nas calçadas. Será excesso de cocô de cachorro? E quando você está dando uma ré e o pedestre passa por trás do carro? E quando vc passa por baixo de viaduto e um monte de crianças filhas dos sem-teto aparecem na sua frente, do nada? Pedestres também precisam ter mais consciência e atenção. Usar as passarelas, obedecer o semáforo. Mas não tem jeito, o ônus maior recai mesmo sobre nós, motoristas. Um carro pode virar uma arma e a concorrência com pedestres, carroceiros e ciclistas é covarde.
Por tudo isso, cabe a nós muita prudência, mais educação, mais calma, mais tolerância. E zero de álcool.

3 comentários:

Cátia disse...

Pois, é Paula..... A falta de educação parece que virou regra e não exceção...Todos tem razão das suas atitudes, não querem nem saber se estão certos ou errados e não estão nem aí com as regras que existem pra ser cumpridas... Como formadores de opinião, temos que trabalhar diariamente essas questões...Falta um pouco de consciência das pessoas, mas com um pouco de paciência e persistência chegamos lá.....

Jornalista Azarado disse...

essa tal de consciência viu... É incrível como as tem "piloto" por aí... É um "mais" motorista que o outro... Até a hora em que acelera demais, freia de menos e a curva vem muito rápido... Apesar de que velocidade em São Paulo só é possivel entre 23:00 e 06:00, por que depois, sem chance de passar dos 40km/h...
Como você citou muito bem, todos tem sua parcela de culpa. Todos são responsáveis pelo caos que está o trânsito de São Paulo. E, se todos não se educarem, o caos só vai aumentar...

Paula Calloni disse...

Pessoalmente eu considero os brasileiros um tanto quanto individualistas. Pelo menos no trânsito, é o que eu vejo. Cada um por si. Exatamente o oposto do que precisa ser...Um pouco mais de altruísmo deixaria o trânsito mais leve, com certeza.

Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida