sexta-feira, 13 de junho de 2008

Anonimato no Orkut

Convido todos a lerem a notícia publicada hoje pelo grupo Folha, sobre o anonimato no Orkut.
Eu mesma já fui vítima desse meio covarde que pessoas levianas e sem caráter se utilizam, para forjar perfis falsos, caluniar e difamar. Igualam-se a esse tipo de gente, os que ofendem a imagem de pessoas falecidas, que sequer estão aqui para se defender. As famílias enlutadas, já tão dilaceradas pela perda, não têm condições emocionais de se armar pela lei e fazer valer seus direitos.
Ou seja, é uma falta de humanidade sem classificação.
É bom que tais pessoas saibam que isso pode acabar num belíssimo processo. Sim, nossa justiça é lenta, mas uma hora, os engraçadinhos se estrepam. A tal impunidade está mudando...é só questão de tempo.
O chamado "Direito digital" ainda é uma área nova no Brasil. Mas gente que se esconde no anonimato do Orkut, seja pra difamar a imagem alheia, provocar com recadinhos sem identificação, se envolver em crimes de sequestro, extorsão e pedofilia, entre outros lixos, estão com os dias contados. Até porque a polícia chega nestas pessoas através do endereço IP (Internet Protocol).
Quem não deve, não teme.

Tchau, Berinjela!

UFA! A boa notícia não tem hora: finalmente, Roberto Scaringella, da CET, pegou o chapéu e foi embora!
Deixa pra população seu legado: trânsito insuportável, semáforos quebrando um atrás do outro, péssimo gerenciamento das obras viárias, ruas trocando de mão e desvios irracionais, absurdas soluções de des-engenharia.
Ele foi um dos defensores do chamado "Pedágio urbano", acreditando que MAIS UMA TAXA desestimularia o paulistano de usar o carro.
Sabe o que nos desestimularia a dirigir - até porque, do jeito que está, ninguém gosta mesmo - sr. Scaringella? Um transporte público decente. Mais ciclovias. Estacionamento para bicicletas. Mais fiscalização que zelasse pela segurança dos pedestres. Mais passarelas. Calçadas decentes. Acessibilidade para os deficientes.
Quando houver essa estrutura, vamos dar graças a Deus por deixar o carro em casa.
Portanto eu acho que esse cara já foi tarde...e será que foi a pé?

quarta-feira, 11 de junho de 2008

"Para gostar de ler"


...Esse era o nome de uma coleção da editora Ática, dos anos 80. Reunia crônicas de autores como Rubem Braga, Fernando Sabino, Carlos Drummond entre outros. Textos curtos, engraçados, que faziam pensar, fáceis de ler, introduzidos geralmente pelas escolas pra formar o hábito de leitura entre os adolescentes.
Hoje fiquei muito feliz porque minha filha, de 9 anos, que está na terceira série, quis ler para mim o trecho de um livro que ela está lendo, indicado pela escola. Percebi que além de ler muito bem, ela compreende o que lê, dando as entonações certas.
A compreensão de um texto é algo além da simples alfabetização. Aliás, hoje se difunde o conceito de anafalbetismo funcional - quando o cidadão reconhece os fonemas e lê as frases, mas é incapaz de apreender o sentido do que lê. Uma tragédia.
Comecei a ler para os meus filhos quando tinham 2 anos de idade. Primeiro foram os gibis da Turma da Mônica. Com eles no colo, apontava quadrinho por quadrinho e fazia as vozes de cada personagem - assim me divertia também. Hoje, quando Adriana deu entonação também aos personagens, senti um gostinho de vitória...vitória de mãe coruja.
Cresci cercada de livros. Estantes e mais estantes. Todos à mão. E quando me cansava de brincar, simplesmente pegava um volume da enciclopédia "Conhecer" ou das historinhas Disney e viajava naquele mundo de palavras, imagens e mistérios - palavras desconhecidas eram um desafio. Quem tem crianças pequenas precisa entender a importância de e como incentivar!
O povo brasileiro não tem muito acesso aos livros. Caros demais...poucas bibliotecas. Eu compro vários nos sebos. Basta esperar uns meses e você encontra lançamentos pela metade do preço. Fora o encanto de encontrar, num ou outro, dedicatórias, que por si só já carregam histórias interessantes do ex-infeliz-proprietário do livro. E cheiro de livro novo é uma delícia...mas cheiro de livro velho também tem lá seu charme.
Outra iniciativa legal mas que ainda não é muito popular por aqui é o BookCrossing: depois de registrado num site, vc deixa um livro num local público para que outro provável leitor o encontre. E pode acompanhar o trajeto do "filhote" pelo mundo...mais ou menos como Amelie em "O Fabuloso Destino de Amelie Poulain" fez com aquele anãozinho...Ah, não viu o filme?
Bom, isso é assunto pra outro post, hehehe.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Matéria do jornal "O Globo" - URGENTE

Amigos, visitantes do meu blog, colegas jornalistas: por favor, dêem um pulinho no blog de minha amiga Odele, mãe de Flávia, que está em coma há 10 anos. Finalmente a mídia começa a dar atenção ao caso. Mas precisamos de mais, muito mais.
A luta por Justiça tem que continuar.
Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida