terça-feira, 12 de agosto de 2008

Aprender x praticar

Sempre fui inquieta, curiosa e sempre caminhei numa busca espiritual. A maturidade faz a gente ganhar discernimento. Felizmente soube distinguir o que é bom pra mim, do que não é.
Sem entrar em detalhes e sem querer ferir este ou aquele credo, pois levando a Deus, no qual eu creio, pra mim tá tudo bem.
Mas vejo, infelizmente, a mesma cena se repetindo, sempre. Pessoas arrogantes, vaidade, imposição de hierarquias e patotas se apossando de locais sérios, que começaram humildes oásis de assistência espiritual e fraternidade e acabaram virando verdadeiras empresas.
Num piscar de olhos deixa-se de encarar o ser humano ao lado como simplesmente um irmão em busca de desenvolvimento, progresso interior.
De repente, passa-se a julgar o próximo pela quantidade de cursos que fez, pelo tempo que frequentou, pela "galera" que conhece. Tudo se reduz a quantificar e comparar currículos e avaliar o outro de acordo com a "patota" à qual se pertence! Meu Deus...Tende piedade porque não sabem o que fazem.
Continuo na minha busca, através do conhecimento que pode ser obtido em qualquer religião/filosofia do bem e da paz; budista, por ex., que é linda...
De resto, gosto muito de três frases, que são bem conhecidas, mas pouco praticadas:
1 - "Que tua mão esquerda não saiba o que faz a direita" - São Mateus, VI: 1-4
2 - "Bem-aventurados os pobres de espírito" - São Mateus, V:3
3 - "Tudo o que sei, é que nada sei" - Sócrates
A humildade e a discrição são as chaves de uma busca bem-sucedida. Ainda que interminável.
O aprendizado está ao alcance de todos, em várias instituições. Difíceis são as pessoas e seu jogo de vaidades.

3 comentários:

Andre LF disse...

Bom!

Janete disse...

Concordo contigo e assino embaixo! Lamentavel o jogo de interesses, seja interesse material seja pessoal. Eu sempre digo que o que importa nao eh o templo/igreja que voce va, mas o coracao que te leva ate la. Um tempo atras, uma voz me disse "nao eh a religiao que importa, mas o aprendizado".

Paula Calloni disse...

Ninguém é mais do que ninguém, muito menos dentro de uma instituição de assistência espiritual. Fosse assim, médiuns ganhariam medalhas!!!

Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida