sábado, 29 de novembro de 2008

Comida no lixo

Almocei no shopping dia desses, com meus filhos. Odeio praças de alimentação.
A falta de privacidade, as mesas grudadas umas nas outras...inevitável observar, claro que com muita discrição, o que as pessoas andam comendo.
Coincidentemente, nas duas mesas ao lado da minha, executivos em horário de almoço pediram pratos do Pizza Hut.
Converso muito com minhas crianças na hora das refeições. São papos alegres, muitas risadas e não troco isso por nada. De modo que só reparei de verdade nos restos de comida das mesas vizinhas quando seus ocupantes já tinham ido embora.
E então...a chocante cena do crime: na mesa da direita, meia pizza pepperoni inteira e um bowl completamente intocado de uma linda e saudável salada. Na mesa da esquerda, meia pizza inteira, dois pedaços de bolo maltado e uma travessa cheia de Bread Steaks Pepperoni, pedaços de borda de pizza recheada com salame e coberta de queijo cheddar. Tudo foi para o lixo 10 minutos depois.
Uma pesquisa do Instituto Akatu pelo consumo consciente, revela que o desperdício de comida no Brasil chega a 1/4 do PIB, ou o suficiente para alimentar 8 milhões de famílias.
Eu não tinha deixado meus filhos comerem no Pizza Hut porque uma perversidade acontece alí: uma das opções aparentemente mais saudáveis é o prato com duas fatias de pizza e metade do prato preenchido com salada de alface americana. Acontece que as duas fatias de pizza são gigantescas. Mas isso não aparece na foto. Deviam fazer como os restaurantes japoneses e expor réplicas de plástico de todos os pratos numa vitrine, pra que a gente tenha noção do que está pedindo.
Nem eu aguento comer as tais duas fatias. Quanto menos uma criança. Optei então por comer num restaurante por kilo, onde nos servimos do que efetivamente íamos consumir.
O que não aconteceu com nossos glutões e desperdiçadores vizinhos de mesa.
Mas também é moda a opção "Pague um preço fixo e coma à vontade". Fique na fila de um restaurante desses e observe o prato de um paulistano: uma montanha de arroz, duas conchas de feijão, um bife gordurento, farofa, um pedaço de lasagna, batatas fritas e um ovo frito por cima. Isso é prato balanceado?
Então penso nisso tudo e dou de cara com um quebra-cabeças pior de resolver do que aqueles da Grow, de 5000 peças.
O brasileiro come mal. Não sabe que um prato saudável tem que ter 1 porção de carboidratos, 1 de proteína e 1 de hortaliças. Só. Pesquisa da Toledo & Associados dá conta de que 63,1% dos brasileiros estão acima do peso.
De um lado, nossos índices de obesidade, colesterol e pressão alta só aumentam, chegando perto dos americanos. De outro, joga-se comida fora porque os olhos são maiores que o estômago e as empresas, como a Pizza Hut, só querem vender, sem saber o que acontece com a comida depois.
Enquanto isso, milhões de pessoas no Brasil não têm o que comer.
Quando saí do estacionamento, parei no semáforo da alameda Jurupis. Ao meu lado, na calçada, um mendigo fuçava na lata de lixo. Achou uma caixinha de Big Mac, com meio sanduíche dentro. Comeu, com as mãos imundas. Olhos arregalados.
O desperdício de um, foi o banquete de outro.
Sejamos consumidores conscientes. Não desperdicemos comida.
E eu acho que o Fome Zero tinha que começar com uma bela campanha de conscientização acerca disso.

6 comentários:

reginadelemos disse...

Concordo plenamente com o que Paula Calloni escreveu.Aqui no Brasil há desperdício de comida,vejam o que acontece nas churrascarias .O garção(prefiro falar garçon) passa inúmeras vezes pelas mesas e as pessoas pedem um pedacinho daquela carne, outro pedacinho desta ,e assim enchem o prato . Nao comem tudo o que pediram.Preferem uma fatia mais quentinha..e lá vem o garçon com aquele espeto e a picanha quentinha ...Eles pedem mais uma "lasquinha" pra provar. No final, dá para ver que as sobras são suficientes para alimentar muita gente.
E as feiras, como desperdiçam folhas de verduras.Há montanhas delas jogadas fora.As da beterraba são logo cortadas e colocadas no lixo .E naquelas folhas estão nutrientes importantes para a nossa saúde.
Morei e cresci em um lar gaúcho.No Rio Grande do Sul não desperdiçamos alimentos.O arroz ,no dia seguinte vira bolinho delicioso;o feijão pode virar um mexido com salsa,cebolinha,ou o tradicional "tropeiro" dos mineiros.Só que os gaúchos chamam este prato de "feijão mexido".É uma delícia principalmente com pimenta .
O churrasco que sobra vira arroz de carreteiro no jantar.Ninguém joga nada fora.Faz parte da cultura.
Por que nao adotar estas "manias" gauchescas?Com certeza todos irão economizar algum dinheiro ,e surprender a família e os amigos com pratos saborosos , além de arrasar na cozinha.

Regina Lemos

Odele Souza disse...

Oi Paula,

Muito bom o seu post. É mesmo lamentável ver tanto desperdicio de alimentos. Imagin agora com esta tragédia em Santa Catarina, com tanta gente precisando de alimentos. É uma cruel contradiçao.

Aproveito para te cumprimentar pelo novo visual de seu blog. Está muito bonito.

Um abraço.

Odele Souza disse...

Oi Paula,

Voltei para agradecer pelo vídeo que resume a história de Flavia, aqui na lateral de seu blog. MUITO OBRIGADA.

Como você deve saber, dia 04.12, faleceu um garoto de 9 anos em Franca SP, vitimado por um acidente causado pela sucção do ralo da piscina. Fiz um post sobre mais este acidente. E por causa das pesquisas no Google sobre o acidente com a criança de Franca, que acabam levando ao blog de Flavia, recebi contato de duas midias:Diário de São Paulo e SBT. O primeiro, fez uma matéria sobre Flavia que deverá sair amanhã, domingo. O SBT ficou de me entrevistar hoje ao final do dia. Vamos ver se a reportagem acontece, porque como você também sabe, muitas vezes a reportagem é desmarcada na última hora.

Um abraço.

Jornalista Azarado disse...

A maioria das pessoas se alimenta muuuito mal mesmo (e eu sou uma delas, confesso...). Eu acho uma dó o desperdicio. Esse final de semana, fui almoçar no shopping, no restaurante "América" e eu e minha noiva pedimos um prato cada. Quando chegou o tal, minha nossa senhora, preisariamos de mais umas três pessoas para nos ajudar a comer tudo.. Foi, infelizmente, um desperdicio.. Concordo com vc que os restaurantes deveriam deixar uma amostra... Se soubessemos do tamanho do prato, teriamos pedido um e dividido entre nós... Um desperdicio e um peso na nossa consciência, já que não gostamos de jogar comida fora...

Bjus!

Quem será Maria? disse...

Concordo com vc, Paula. O desperdício de alimentos é abominável...e qdo agimos diferentemente do que a maioria, olham-nos com olhos arregalados, como se fôssemos ETs. Na feira peço que mantenham a folhagem na cenoura, já que faço bolinhos ou acrescento, bem picadinha, no feijão. Com a beterraba, faço o mesmo. E por aí vai...Concordo em parte com oque a reginadelemos escreveu no comentário: é td questão de cultura, sim. Mas não é privilégio de gauchos. Eu não sou gaucha, nem nunca visitei o RS (infelizmente), mas sou neta de europeus e é aí que mora o segredo. Povos q passaram por guerras sabem muito bem oque é escassez de alimentos...Talvez seja por isso que no RS exista a cultura do aproveitamento...
bjs

Andre LF disse...

Por isso, shoppings me enojam cada dia mais. Ali se pode atestar o quanto o humano ainda não se deu conta do quanto está afastado de sua natureza..polui o planeta, se endivida, enriquece quem o enforca, se envenena,desperdiça o que poderia saciar a fome de muitos, mas não tem coragem de dar 1 real a uma causa beneficente idônea, sempre acha que vai faltar depois...e no entanto, na semana seguinte, lá está a esbanjar de novo o que não lhe faltaria...triste, muito triste...

Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida