quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Poupa-tempo?

Precisei renovar minha carteira de habilitação. Acho ótimo, até porque o novo documento tem foto e é uma garantia a mais de identificação. Também gostei de revisar algumas normas, como direção defensiva e aprender algo tão importante quanto as noções de primeiros socorros. Tudo isso caiu na prova.
Mas aí, vieram as despesas: 30 reais para a prova, 80 reais para eu retirar a carteira na própria auto-escola, do lado de casa, mais 50 reais para o exame médico - por quê não podia recorrer a um médico do meu próprio convênio? Ou seja, a gente percebe que no Brasil essas exigências de renovação servem mais para alimentar a máfia das auto-escolas do que para beneficiar motoristas e pedestres com a reciclagem.
Ao invés de gastar 80 reais, resolvi economizar e pegar a carteira no Poupa-tempo, onde a mesma taxa sai por R$ 24,55. E lá fui eu para a unidade de Santo Amaro. De cara, começou a gastança: R$ 7 de estacionamento, mais R$ 6 de foto instantânea e R$ 1 para duas xerox.
Duas horas nas primeiras filas, da triagem até a entrega dos documentos. Na minha frente, um homem enorme, irmão “da cor”, careca, 1,92, uns 120 kg de puro músculo, terno e gravata. Cara de poucos amigos. O homem dava medo! Só vi as perninhas do atendente, debaixo da mesa, tremerem, quando o “armário” sentou. Abaixei a cabeça e pensei: “Meu Deus, tomara que dê tudo certo, que não falte nenhuma foto, nenhum documento, senão vai voar cadeira pra todo lado aqui”.Mas o pior estava por vir. A atendente disse assim: “Agora a sra. vai até a agência da Nossa Caixa, alí atrás e recolhe a taxa. Depois entrega tudo no balcão 18”.
“Beleza, tá acabando...” – pensei comigo, enquanto me dirigia ao posto bancário. Chegando lá, a fila do “vixe”. Cada um que aparecia na porta e olhava pro tamanho da fila dizia: “Vixe!”.
Era imensa. Cinco voltas. Nunca peguei uma fila dessas na vida. Mas eu já tava lá mesmo, resolvi encarar. Até que andava rápido, pois era só recolhimento de taxas. Mas quando faltavam duas pessoas para eu ser atendida, uma funcionária do Poupa-tempo, com voz anasalada,baixinha e de cabelos pintados de vermelho, perguntou alto: “Quem vai fazer Detran? Porque estamos sem sistema e sem previsão de volta”. AH QUE BOM, não? Bem, estava chegando a minha vez e esperei mais 10 minutos, conseguindo fazer o pagamento. Mas deixei para entregar tudo no dia seguinte.
Voltei lá ontem. Desta vez foi rápido. Mas a carteira só fica pronta hoje. Lá vou eu de novo.
Pela terceira vez estarei lá, gastando mais 7 reais de estacionamento e perdendo mais tempo.
Poupa-tempo?? Não sei não...
A idéia até que é boa: num lugar só, concentrados vários órgãos públicos, como Detran, Procon, Secretaria de Segurança Pública...todos os documentos que você imaginar podem ser feitos lá. Tirando a rede de comerciantes espertos do lado de fora, que lucra com fotos, xerox, estacionamento, barraca de salgadinhos etc, é uma boa sacada. Os funcionários são muito educados, tudo é limpo, organizado. Mas acho que para uma cidade do tamanho da nossa, são poucas unidades. E por isso mesmo, as filas, imensas.
A população precisa reinvindicar mais unidades do “Poupa-tempo”.
Daqui a três anos, terei que renovar a carteira de novo. Sinceramente, acho que vou preferir gastar mais dinheiro e retirar a bendita aqui, do lado de casa. Tentando ser “certinha” e usando uma estrutura administrativa que é meu direito, como pagante de impostos, me dei mal.
E de tempo, não poupei nada.

(ESTE TEXTO FOI REPRODUZIDO NO BLOG DO COLEGA MILTON JUNG, DA REDE CBN.

Um comentário:

Jornalista Azarado disse...

E o pior é saber que eu, daqui a dois anos, eu terei que enfrentar o poupatempo de Santo Amaro... Mas, até lá, espero que as novas dezenas de unidades previstas sejam entregues, inauguradas e que funcionem corretamente... Não só por mim, é uma necessidade de todos.
Minha esperança é alimentada pelo ano eleitoral (2010 tem eleição para governo do estado, que administra o poupatempo)... será que vai chover inauguração e eficiência no poupatempo?

Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida