segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Amazônia: encantos da culinária


Dona Brazi, com o chef Atala, dando suas lições de culinária pra uma platéia de queixo caído e muita, muita fome!


A cidade de São Gabriel da Cachoeira (AM) tem o primeiro prefeito indígena do Brasil, o Pedro Garcia (PT). Tem também uma quituteira de primeira linha, Dona Brasi, convidada do chef Alex Atala no debate sobre a influência da cultura indígena na culinária brasileira, que aconteceu na livraria Cultura, no último domingo.
E é claro que eu não podia perder.
Não é muito fácil achar os ingredientes da cozinha amazonense aqui em São Paulo. Além disso, verduras, ervas, temperos, caldos e peixes da região Norte são cheios de mistérios e encantamentos, manhas e segredos, que estão nas mãos de poucos. Como nas de dona Brasi.
Essa auto-intitulada costureira, de sangue indígena, trocou os panos pelas panelas. Costura agora sabores, inventa pratos novos sem perder o gosto da "comida de índio", que ela foi proibida de servir nas feiras de Belém do Pará, há alguns anos. "Me disseram que lá eu tinha que servir comida de branco, comida de turista", ela conta, de um jeitinho manso e tão cativante que dá vontade de ser um de seus vizinhos, nem que seja por um dia só. Estes, têm o privilégio de degustar suas iguarias e experimentos sem restrições, o ano inteiro, enquanto o turista comum se restringe ao velho Tacacá no tucupi, vendido em qualquer esquina de Belém.
Nada contra o Tacacá, nem o Pato no tucupi...Mas dona Brasi, ou Josefa Gonçalves de Andrade, sabiamente, acrescenta frutas e raízes diferentes ao seu molho, que acompanha os peixes, base da alimentação de São Gabriel da Cachoeira, que fica a 858 km de Manaus.
Alex Atala, ao lado de d.Brasi, exaltou a riqueza da culinária amazonense, numa frase: "O cozinheiro tem duas grandes dúvidas na vida: quando não tem nada pra preparar ou quando tem muita coisa fresca. No Amazonas eles têm sempre muita coisa fresca e ainda por cima,uma grande diversidade de ingredientes".
O chef Atala chegou pra almoçar na casa de d.Brasi, um dia, assim, quase sem aviso. Três meses depois a convidou para vir a São Paulo.
"O que vou fazer em São Paulo, na terra dos brancos?" - ela perguntou.
Muita coisa, dona Brasi. Ensinar que a formiga Saúva é muito mais saborosa que a Maniwara e é um ótimo acompanhamento nos molhos para peixes. Que existe o tucupi preto, chamado "Kinhapira", um pouco mais concentrado e com gosto forte. Que a Piraíba e´a espécie mais abundante de peixe na região e fica ótimo com um creme de polpa de pupunha. E que uma palestra pode ser finalizada com uma frase que só aumenta nossa água na boca:
"Se a comida não tem aparência boa, nosso estômago não recebe com alegria".

Pra vc que não é vizinho de d.Brasi, mas quer ser encantado pelos sabores amazonenses, vão aí duas dicas:

De Alex Atala
Restaurante Tordesilhas - Jardins
Bolinho de pernil em imersão de Tucupi, Pirarucú fresco, Tacacá - quer provar?
Então clique aqui e tenha todas as informações.

Desta humilde blogueira
Bufê de comida amazonense, de tudo um pouco, pra você fechar os olhos e se sentir no meio da floresta. Clique AQUI!

Um comentário:

Anderson Marin Lima disse...

Olá Paula!!

Olha, o Brasil tem uma cultura riquissima "esmagada".. Temos tanta variedade, seja de comida, seja de música, costumes, roupas e etc, mas que é muito mal explorado e, principalmente, desvalorizado...

Deveríamos preservar e valorizar muito esses costumes tão antigos!!

Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida