segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Rede de amigos contra as drogas

Vou pegar carona no meu post sobre o avanço do crack e dar um testemunho como mãe. Quem sabe assim posso contribuir um pouquinho à formação de uma cultura de pais contras as drogas.
Neste final-de-semana recebi em casa dois amigos do meu filho mais velho, que tem 12 anos.
Fiquei pensando no quanto é importante esse hábito de receber amigos dos filhos em casa. Meu filho é colega deles deste os 8 anos. Já conhecemos os pais, o jeito das crianças, os temperamentos...E eu acho isso importante: inconscientemente, acabamos criando uma rede de "vigilância" mútua.
Não somos amigos íntimos dos pais, mas de certo modo, temos alguma segurança, de que há liberdade para relatarmos - uns aos outros, os pais - qualquer estranhamento de comportamento, qualquer "algo errado" que apareça, no meio do caminho.
Estamos começando a soltar as rédeas e passeios no shopping, sem os pais, já fazem parte do cotidiano.
Eu ainda era criança, mas lembro bem dos bailinhos na casa dos pais. Isso não existe, agora é balada, em danceterias, algumas especiais para menores, sem oferta de álcool e nos horários adequados.
Mas eu apelo: pais, conheçam os amigos dos seus filhos. Embora exija algum esforço, trabalho...recebam as crianças em suas casas. Não há segurança maior do que conhecer quem é amigo do seu filho. Somos todos pais, afinal. Ou como numa placa em que li, inesquecível, certa vez:
"As mães, são mães de todos os filhos...e os filhos, são filhos de todas as mães".

Nenhum comentário:

Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida