quinta-feira, 15 de abril de 2010

Brasileiro não reconhece a honestidade alheia

Não se assustem, meninos e meninas, estou falando em termos gerais.
Blog já virou carne de vaca mesmo, então, não há de ser uma frase minha que vá causar algum impacto multi-planetário a la vulcão islandês.
Episódio bucólico: eu na Blockbuster, ou ex-Blockbuster comprado pela Americanas ou atual Blockbos...é, isso aí que vcs pensaram mesmo. Porque não tem filme bom mais alí, porque não tem mais atendente com um mínimo de cultura cinéfila pra ajudar o novato a distinguir entre um Fellini e um irmãos Cohen.
Enfim...adentro a referida loja sei lá do quê, e dou de cara com o DVD do filme "Mamma Mia" a R$ 12,90. UAU! Ok. É pop. É supérfluo. Mas diverte. É engraçado. É bem feito.
Estranho o preço, visto que no lançamento tava por R$ 49,00, ano passado.
Nessa época ainda falei pra minha filha Adriana, de 12 anos: "Dá um tempo que já já esse preço cai" - ela, que amou o filme.
Então deparo hoje com aquele precinho tão camarada. Animadésima, tiro a dita-cuja da prateleira e no produto debaixo, o mesmo título, outro preço: R$ 19,99. Então me dou conta que a etiqueta do produto acima dos demais DVDs havia sido trocada, pois logo abaixo do código de barras, em letras minúsculas, o nome de outro filme...
Em questão de 5 segundos, baixa em mim o santo desonesto. Não vou ser hipócrita. Pensei,SIM, em engabelar a caixa. Em tentar levar a fita pelo preço mais barato por engano. Mas isso durou segundos. Fiquei pensando no gerente dando bronca na funcionária, pois fatalmente o erro cairia como desconto no salário dela.
Pensei que isso, sim senhores, era errado. Era falta de honestidade. E logo dei um tabefe no meu "demoninho" sacana por cima do ombro esquerdo e ouvi meu anjinho do ombro no lado direito. Exatamente como todas as pessoas normais e de bem costumam fazer, à moda dos desenhos animados.
Abri mão de levar o filme a R$ 19,99 por pura dureza e vácuo de bolso. Não sem antes avisar a moça do caixa. "Ei...essa etiqueta foi posta por engano".
Num muxoxo, ela levou bem uns 10 minutos pra entender do quê eu estava falando. Ou seja, talvez se eu tivesse decidido passar a perna na loja e nela, teria me dado bem.
Por fim entendeu o erro do preço. Me olhou com indiferença, só perguntando: "Mas a senhora vai levar ou não?"
Eu respondi que não. Que só queria avisa-la sobre o engano, antes que ela levasse prejuízo.
Ela me olhou como se eu fosse um ET. Não se deu conta de que estava diante de uma pessoa honesta e que a livrou de um prejuízo pessoal. Não disse sequer "obrigada".
Mas entrei no meu carro de consciência leve. Entre a certeza de ter feito o certo...e a tristeza de perceber que o brasileiro, no geral, não reconhece a honestidade alheia.
Mamma mia...

Um comentário:

Ballakobako Artes disse...

Uia barbaridade tchê...ainda bem que a tentação não te conquistou...hehehehehehe...mas é assim mesmo amiga, temos que fazer por onde, já oque os outros fazem não é nossa responsabilidade,cada qual é cobrado por seus próprios atos isso sim é certo ...beijokas!!!!!!

Por um olhar mais atento aos pequenos detalhes da vida